20.1 C
São Paulo
junho 25, 2024
Uncategorized

Requinte e tecnologia

Por dentro, a intenção da marca foi privilegiar o requinte. Os “gadgets” tecnológicos estão lá, mas de forma discreta, sem holofotes. O volante é como o do C4, com miolo fixo, que facilita o uso dos diversos comandos ali instalados.

Essa lógica de liberar a área central para novas funções se repete nos três mostradores. Eles têm ponteiros periféricos, que correm pelas bordas para não interferir na leitura dos displays no centro. No maior, do velocímetro, há uma pequena tela colorida. Nos outros dois, é na cor âmbar. No console central, um outro display âmbar traz informações rádio/CD, dos sensores de estacionamento, da suspensão hidropneumática e outros alertas.

Além de requinte, os equipamentos tecnológicos também corroboram as intenções da Citroën de subir socialmente. Na linhagem iniciada no DS e seguida pelo BX, Xantia e pela geração anterior do C5, a suspensão é hidropneumática.

No caso do C5, o sistema determina a rigidez de acordo com as condições de rodagem, mas um acerto esportivo pode ser determinado pelo motorista, através de um botão no console. A suspensão é polivalente e responde sempre da melhor forma às demandas, mas o acerto básico é de maciez.

Segurança

A sofisticação do C5 chega também aos demais recursos. Para citar os mais importantes, são nada menos que nove airbags, ABS com distribuidor eletrônico de frenagem (EBD), controle de estabilidade (ESP), auxílio à baliza, faróis de xênon, faróis direcionais, sensores de chuva, obstáculos, pressão nos pneus e luminosidade, duplo ar-condicionado e acabamento em couro com ajustes elétricos para banco do motorista.

Claro que esse conteúdo acaba encarecendo o C5, o que promete criar uma vida comercial dura no Brasil.

Mercado

De qualquer modo, a Citroën assumidamente busca um novo carro de imagem – ainda mais depois que o C6 parou de ser vendido por aqui. Tanto que a projeção de vendas é modesta: 70 a 100 unidades mensais. Se concretizada a expectativa, a linha C5 ficaria à frente apenas do rival doméstico, da Peugeot. O Accord fica na média de 180 unidades mensais, a linha Passat chega a 230 emplacamentos, o Azera bate as 600 vendas e o Fusion oscila em torno de mil unidades/mês.

Por outro lado, a linha C5 certamente vai cumprir o papel que a Citroën espera: valorizar o salão das concessionárias e emprestar prestígio para a marca. (ER/AP)